Nietzsche e a Justiça
Crítica e Transvaloração
Eduardo Rezende Melo (autor)

R$ 43,00


Em Nietzche e a Justiça, Eduardo Rezende Melo empreende uma leitura rigorosa da noção de justiça no pensamento nietzschiano. Pesquisando-o, num ingente e metódico corpo-a-corpo textual, desvenda-o na rica profundeza de seus meandros. Abordada na sua polissemia, a justiça é apresentada, qual uma partitura musical, como um tema com variações, cujas nuanças, inflexões e diferentes significados emergem de uma forma cíclica, porém numa semântica aberta e constantemente enriquecida por novos olhares, pondo assim em xeque e desconstruindo o caráter massificante da moral tradicional e o seu vigente imperativo da obediência e da submissão na relação humana. Propõe-se, pois, aqui, ao leitor deste ensaio interpretativo, com base na ética do indivíduo, o chamado que o grande contestador de “verdades” filosóficas tidas como apodícticas faz para a responsabilidade emancipadora. Aceitar o seu desafio é propor-se à luta e ao risco incomensurável a fim de justificar o sentido e a perspectiva de vida do homem, a partir de uma problematização crescente dos falsos valores transcendentes.

[J. G.]

Indicar este livro
 Gostaria de receber informes e promoções da Editora Perspectiva.
Dê a sua opinião sobre a obra
Antes de escrever seu comentário, leia, por favor, as regras e orientações sobre este espaço:

  • os comentários devem ater-se ao livro sobre o qual se refere e a temas estritamente relacionados a ele;
  • o texto deverá ter no máximo 700 caracteres;
  • a editora Perspectiva reserva-se o direito de não publicar comentários preconceituosos ou racistas, observações grosseiras ou que agridam a honra de qualquer pessoa ou grupo de pessoas, textos sobre opiniões de outros leitores, bem como informações de conteúdo comercial;
  • as críticas apresentadas passarão a ser de domínio do site da editora.
700 carac.
Sumário
NOTA DE AGRADECIMENTO    XIII

ABREVIAÇÕES    XV

INTRODUÇÃO    XVII

    1.    A JUSTIÇA E O TRÁGICO    1
    Justiça Socrática, Justiça Trágica: Entre Clareza e
      Incomensurabilidade
    1
    A Ética e o Otimismo Socráticos: Da Tragédia à Comédia
      Pessimista da Existência e o Embate entre Modos de Vida
    3
    Dissonância Humana entre Ocultamento e Afirmação:
      Antropomorfismos do Conhecimento    
7
    A Arte do Jogo com a Vida    14
    Heráclito e a Luta dos Contrários    17
    A Ação e a Busca por Justiça: O Papel dos Interesses
      e da Razão    
19
    A Luta entre Modos de Vida e seus Limites    23
    Luta e Transitoriedade: O Papel do Mito    26
    A Justiça Trágica    27
    A Justiça como Força Plástica e a Luta para Construção
      de um Estilo ante os Desafios da História    
33

    2.    A JUSTIÇA E A LIBERDADE DO ESPÍRITO    43
    A Justiça entre Micro e Macrocosmo    43
    Pluralidade de Gênios e a Questão do Equilíbrio:
      A Imanência da Justiça    
46
    A História dos Sentimentos Morais e a Crítica à Justiça
      Metafísica: Altruísmo, Livre-Arbítrio, Punição e o
       Apagamento do Interesse e da Dominação    
50
    A Volta às Coisas Próximas e o Amor à Diferença:
      Justiça e Sabedoria    
53
    A Busca da Justiça, a Ação e a Liberdade    57

    3.    AURORA DE UMA NOVA MORAL, DE UMA
       NOVA JUSTIÇA    59
    O Medo do Outro e a Moral Cristã    59
    Coragem da Crítica e Experiência de Si: A Possibilidade de
      Sentir de Outro Modo    
63
    Egoísmo Idealista e a Justiça Intelectual Prática    67
    Ação Divergente e a Superação do Medo: O Indivíduo
      e o Outro    
71
    A Justiça e a Moral do Agrado: O Papel da Luta    74

    4.    A GAIA JUSTIÇA    77
    O Sentimento do Justo: Da Homogeneização ao Gosto de
     Ser Si Mesmo    
78
    A Pessoalidade do Julgamento e a Problematização de Si    80
    A Proximidade de Si: Multiplicidade e Inteireza    83
    A Justiça como Justificação Filosófica da Maneira de
      Viver e de Pensar    
84
    O Gosto da Justiça, o Estilo e seu Tempo: O Amor de Si e
      o Amor à Estranheza    
86
    A Justiça como Bom Gosto dos Problemas    89
    A Justiça e a Sabedoria Gaia: A Afirmação de Nossa
      Liberdade    
92
    A Justiça e a Amizade: O Si e o Outro    94
    A Mudança do Gosto: O Papel da Ação e a Crítica à
      Interpretação Heideggeriana    
96

    5.    JUSTIÇA E TRANSITORIEDADE: O DESAFIO DO
      TEMPO E A JUSTIFICAÇÃO DE SI    101
    A Transitoriedade e a Vingança do Homem Contra o
      Tempo    
102
    O Sentido Terreno da Vida: O Caminho de Si e a Justiça
      como Diferença    
105
    O Aprendizado de Si    107
    O Corpo Dançarino como Virtude da Terra e a
      Singularidade do Homem    
108
    A Virtude como Lei e a Redenção do Homem: O Caminho
      do Criador    
111
    O Momento da Avaliação e o Gládio da Justiça    116
    O Crivo da Força: O Poder de Outro Modo como o Poder
      Experimentar    
118

    6.    A JUSTIÇA COMO SUPERIOR ESPIRITUALIDADE    123
    A Moral, a Metafísica e a Psicologia    123
    A Individualidade e a Tarefa Crítica    125
    Auto-Supressão da Moral e a Moral como Experiência
      Interpretativa: a Força Psíquica do Homem e
       a Hierarquia    
127
    A Justiça como Nobre Espiritualização da Crueldade    129
    A Força e os Limites da Justiça: a Natureza e o Outro    130

    7.    GENEALOGIAS DA CULTURA E DA JUSTIÇA    133
    Dos Preconceitos Morais em Torno da Justiça à Arte de
      Interpretá-la: O Desafio Genealógico    
133
    A Procedência da Justiça entre Ação e Reação    134
    A Justiça e o Processo Civilizatório: Compromissos e
      Rupturas, Memória e Esquecimento, Responsabilidade
       e Liberdade    
137
    Justiça entre Alienação e Emancipação    139
    Interpretação e Poder: Os Desafios da Justiça    145

    8.    A JUSTIÇA, A RESPONSABILIDADE E O DESAFIO
        DA LIBERDADE    151
    Justiça e Diferença    152
    A Justiça e o Naturismo Moral    157
    A Justiça e o Jogo com Grandes Tarefas: A Liberdade em
      Questão    
160

    9.     O REAPRENDIZADO DO JULGAMENTO E A PROVA
      DA JUSTIÇA    163
    O Cristianismo e a Alienação de Si: A Perda da
      Capacidade de Julgamento e do Sentimento de Justo    
163
    O Julgamento Cristão e a Interdição ao Conhecimento    166
    Retomada da Tarefa do Homem: A Filosofia como
      Experiência de Si    168
    O Instante do Julgamento e a Seleção de Si    169
    O Aprendizado de Si e a Questão da Saúde: Os Modos
      da Ação    
172
    A Prova da Justiça e a Ação: Diferença, Gosto e Estilo    174
    A Prova da Justiça e o Outro    175
    A Justiça sob Prova e o Ciclo da Vida    176
    
    10.    UM DESFECHO SEM FECHO    179
    
    BIBLIOGRAFIA    183
SOBRE O LIVRO
assunto: filosofia
coleção: estudos 205
formato: 12,5x22,5 cm
páginas: 216
acabamento: brochura
edição: 1ª 2010 - 1ª reimpressão
peso: 272 g
ISBN: 9788527306935
Eduardo Rezende Melo
LIVRO PUBLICADO

Editora Perspectiva
Av. Brigadeiro Luís Antônio, 3025
Jardim Paulista, São Paulo - SP
01401-000
(11) 3885 8388

Comunicação

Sobre a Editora

Contato

Preencha com o seu nome e e-mail e receba informações sobre a Editora Perspectiva.

Desejo receber informações sobre promoções, lancamentos e eventos da Editora Perspectiva

Redes Sociais

 

Copyright 2018, Editora Perspectiva